A Invenção da Pólvora

Historia da descoberta da Pólvora – Negra e Sem Fumaça.

A descoberta da pólvora possibilitou uma maior velocidade, segurança, eficiência para a mineração, construção civil, estradas, túneis, barragem… criou as bases para a conquista do espaço, bem como revolucionou as guerras, exércitos e o esporte. (Instituto de Química da Universidade Nacional de Brasília – 1972. Sr Madson).

Dinastia Han

Varias teorias sobre a descoberta da Pólvora Negra. A mais aceita é:
Na China século I; Dinastia Han – Registra as receitas das primeiras misturas da Pólvora Negra; mistura de CARVÃO – ENXOFRE – SALITRE.

Receita pólvora negra

Essa invenção atribuída aos MONGES TAOISTAS e ALQUIMISTAS, que buscavam o ELIXIR DA VIDA ETERNA.

Século IX, China durante a dinastia THANG, chegou-se a dosagem mais eficiente para a Pólvora Negra: 14% CARVÃO, 16% ENXOFRE e 70% SALITRE. Uma das mais eficientes misturas da Pólvora Negra.
Obs.: Salitre é a fonte de nitrato da Pólvora Negra. Sua extração e refino na China tinha como matéria prima os excrementos de morcegos.

dinastia tang ou tangue
Dinastia Tang ou Tangue

Em 1.040 D.C. – O primeiro relato sobre armas de fogo: O inventario do arsenal de WUJING ZONGIAO. Armas como: “Cesto de Vespas”, Foguetes …,”lança de fogo”. A lança de fogo ira evoluir até o Canhão de Mão – Considerada a 1ª arma de fogo portátil; Europa 1.400 D.C.

Batalha AIN JALUT – ou Batalha de JALUT – Índia 1.260 D.C.

 

 

O árabe HASAN AL-RAMMAH relata que, na batalha, viu MAMLUKS (Soldados Escravos), usarem explosivos contra os MONGOIS.

Este árabe, publicou um livro, no qual consta mais de 100 receitas para produção da Pólvora Negra, para uso em foguetes, canhões, etc.

Os primeiros ARCABUS: Século XIII – China: Durante a dinastia SUNG, se desenvolveu uma arma utilizando Tubos de Bambu. Os Árabes aperfeiçoaram o ARCABUS, utilizando Tubos de Bambu, reforçados com Ferro, usando como detonador um arame incandescente.

Arma de Bambú
Arma de Bambú – ARCABUS: Século XIII

Pólvora Negra – Chega a Europa:

“Queda de Constantinopla”: 29 de maio de 1.453 D.C. Pelo Império Otomano;

Queda de Constantinopla

Sultão MEHMED II. Uso maciço de Canhões (50 dias de bombardeio direto) para derrubar os muros fortificados da cidade.;Outra teoria a Pólvora Negra chega a Europa através das invasões MONGOIS.
Após sua chegada a Europa; rapidamente foi utilizada e melhorada.

Um dos avanços na mistura: A inclusão de pó de milho (Fubá) que possibilitava uma queima mais homogênea, resultando em melhor eficiência e velocidade. A pólvora negra possui uma velocidade de queima alta, o que se traduz em uma velocidade baixa dos projéteis.

Peter Hawker Peter e Joe Manton

Por volta do Século XVII, com o aperfeiçoamento das armas pessoais tem inicio os primeiros torneios de Tiro ao Alvo. Principalmente na Suécia.

Em 18.14 D.C. Grã – Bretanha foi criada as primeiras regras para competições de Tiro Esportivo pelo Coronel Peter Hawker.

 

 

 

Pólvora sem Fumaça

Século XVIII – 1.886 D.C. O Frances Paul Vieille, cria a Pólvora Sem Fumaça (Nitro-celulose). Mistura essa logo

Alfred Nobel

aperfeiçoada pelo químico Alfred Nobel. Sim o mesmo do “Premio Nobel da Paz”.

A Pólvora sem fumaça, proporciona maior segurança,durabilidade, precisão e velocidade dos projeteis das armas de fogo.

Com a pólvora sem fumaça é possível modular a velocidade de queima, alterando as velocidades dos projeteis.

Nota: Na atualidade considera-se que a pólvora negra explode e a pólvora sem fumaça queima.
Exemplo: Cartuchos 22 LR (Consumo de 2.5 bilhões de cartuchos por ano) o preferido pelos atletas do Tiro Esportivo, tem cartuchos sub sônicos com velocidade de 310 m/s até os mais recente lançamento na Shot Show 2019 um cartucho 22 LR com velocidade de saída 710 m/s.

Barão de Cobertin

Com toda essa evolução no mundo das armas e competições, motivou em 1.896 DC, o Barão Pierre de Coubertin, um grande campeão nas provas de Tiro Esportivo: A Criar os Jogos Olímpicos da Era Moderna.
Com esta iniciativa do Barão Coubertin, deu-se o inicio, a varias competições esportivas.

 

Delegação brasileira na Antuérpia nos jogos olímpicos

Brasil faz sua estréia nos Jogos Olímpicos:

Em 1920 na Antuérpia. Conquistando nossas Primeiras Medalhas Olímpicas:
– Medalha de Ouro: Atirador Tenente Guilherme Paraense na modalidade Pistola Rápida 25 m.
– Medalha de Prata: Atirador Afrânio da Costa na modalidade Pistola Livre 50 m.
– Medalha de Bronze: Por equipe atiradores: Afrânio da Costa, Dario Barbosa, Fernando Soledade, Guilherme Paraense e Sebastião Wolf modalidade Pistola Livre 50 m.

Equipe brasileira de Pistola Livre nos Jogos Olímpicos da Antuérpia 1920: Fernando Soledade, Tenente Guilherme Paraense, Afrânio da Costa, Tenente Mário Maurety e Dario Barbosa. Foto: Afrânio da Costa/arquivo pessoal
Equipe brasileira de Pistola Livre nos Jogos Olímpicos da Antuérpia 1920: Fernando Soledade, Tenente Guilherme Paraense, Afrânio da Costa, Tenente Mário Maurety e Dario Barbosa. Foto: Afrânio da Costa/arquivo pessoal